terça-feira, 15 de agosto de 2017

NA REPÚBLICA, NUNCA VAMOS PARA FRENTE

Desde o golpe de estado que deu origem à nossa atual república, o Brasil está dividido entre NÓS x ELES. Não há união, porque independente de quem seja o Chefe de Estado, ele sempre vai representar uma parcela da população, que é a parte que votou para elegê-lo.

Diferente da #monarquia, em que o imperador não é eleito porque é apartidário e isso é essencial para que este represente a totalidade da população. Se for eleito, jamais representará a totalidade. Politicamente isento, o imperador tem seus poderes limitados pela constituição, que o coloca como Chefe de Estado e Chefe Supremo da Nação, uma vez que exerce o Poder Moderador. 

Hoje não temos o Poder Moderador, obviamente porque não estamos mais numa monarquia. Talvez por isso, não há quem imponha um comportamento ético aos nossos parlamentares, sob risco de perda do mandato. Se estivéssemos numa monarquia, o imperador poderia dissolver o parlamento e convocar novas eleições, a exemplo do que ocorreu na Espanha recentemente (http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2016-05/rei-da-espanha-dissolve-parlamento-e-convoca-novas-eleicoes-para-junho). Seria trágico para esses canalhas, não?

Fato é que a república não funcionou no Brasil. Diferente dos países vizinhos da América do Sul, temos a opção de restaurar a monarquia, porque ainda temos uma família imperial. Então vamos pensar em países desenvolvidos como a própria Espanha, o Japão, Reino Unido, Bélgica, Noruega, Canadá, Austrália, Tailândia. Todas são nações que puderam se desenvolver, porque estavam focadas nisso, sem perder tempo com crises político-partidárias. Vamos pensar!



segunda-feira, 14 de agosto de 2017

E se o monarca torna-se um déspota, imoral e corrupto, sem atingir as raias da loucura?

Desconhecemos o exemplo citado, mas se tal viesse a ocorrer, o que é improvável, mas não é impossível, a própria organização monárquica assegura a solução. O Conselho de Estado, o Tribunal de Garantias e o Parlamento dispõem de meios que vão desde a suspensão das regalias reais, passando pela instituição de uma Regência, chegando até os extremos da deposição.

- Baseado em trechos do livro “O que é Monarquia”, do Prof. Rogério da Silva Tjäder.

FONTE:

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Bélgica: mesmo um aspecto negativo da monarquia é um exemplo para a república brasileira

O portal UOL publicou, na última segunda-feira (7), que o primeiro-ministro da Bélgica, Charles Michel, pediu a punição ao príncipe Laurent, por ter participado de um encontro com representantes chineses na embaixada da China, na Bélgica. 

De acordo com a reportagem, pelas leis daquela monarquia, nenhum membro não-herdeiro da família real pode participar de encontros de estado sem a autorização do Poder Executivo. Isso refuta completamente a crendice popular de que nas monarquias o poder de um rei é absoluto. 

Ao acompanhar a reportagem é possível perceber que a Bélgica é uma democracia avançada e desenvolvida. Embora conceda uma dotação anual aos membros da família real, verifica-se que a quantia de 308 mil euros anuais é menor que os 1,3 milhões de euros gastos com os ex-presidentes do Brasil.

Se um príncipe pode ser punido, como ocorre na Bélgica, por que no Brasil um deputado, senador, presidente, ministro, etc, não é devidamente punido? A resposta é simples: república.

Na república brasileira, os recursos públicos são tratados como terra de ninguém. Uma grande festa da corrupção. O Brasil só se livrará desse mal se restaurar a monarquia e desenvolver sua democracia como a Bélgica fez.

Vale lembrar que a maioria das melhores democracias são monarquias. No Brasil há uma família imperial pronta para servir ao país. Precisamos apenas difundir as verdades sobre a república e desconstruir as mentiras contadas por 127 anos sobre a nossa monarquia, uma das mais avançadas de sua época.

VAMOS JUNTOS PEDIR A VOLTA DA MONARQUIA NO BRASIL!!!!!

Ex-presidentes geram R$ 5 milhões de gastos para o Brasil


terça-feira, 8 de agosto de 2017

Caso Rafael Braga: no Brasil republicano não somos iguais

No Brasil, a #monarquia caiu antes de ter a oportunidade de completar o processo de inclusão social do negros recém-libertados pela Lei Áurea. Era uma causa justa e social encabeçada pela princesa Isabel. Além disso, o imperador podia exercer o papel de Poder Moderador para corrigir distorções como essa abaixo.

No Brasil republicano, a #Justiça é assim:

NOTÍCIA 1: Rafael Braga (preto e pobre) foi pego com 0,6 g de maconha e 9,3 g de cocaína e preso sob acusação de tráfico de drogas e associação para o tráfico. Está preso. Não lhe foi permitido responder em liberdade.


NOTÍCIA 2: Breno Borges (branco e rico), filho de uma desembargadora no MS, foi pego com 129 kg de maconha e 199 munições. Está solto. Lhe foi permitido responder em liberdade.

REFLEXÃO: Crime é crime e ambos devem ser punidos, mas a Justiça não executa a Lei com o mesmo rigor para ambos, há diferença e isso está errado.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

PREFEITURA DE MAUÁ ABRE PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIOS

A Prefeitura de Mauá publicou hoje (28) um edital de abertura para processo seletivo com objetivo de preencher vagas de estágio.

A remuneração varia entre R$ 974,04 e R$ 1.391,49, a depender do ano letivo em curso.

Para se inscrever, siga as instruções do Edital que está disponível no site: http://dom.maua.sp.gov.br/pPublicacao.aspx?ID=23025

Há vagas para os cursos:
- Arquitetura e Urbanismo (2)
- Biologia (1)
- Direito (5)
- Educação Física Bacharelado (1)
- Educação Física Licenciatura (1)
- Engenharia Ambiental (1)
- Engenharia Ambiental e Urbana (1)
- Engenharia Civil (2)
- Informática (2)
- Logística (1)
- Nutrição (2)
- Psicologia (2)
- Serviço Social (3)
- Terapia Ocupacional (1)



POVO: PROCLAMAÇÃO ou GOLPE DA REPÚBLICA?

A mentira mais antiga da república é que esta teve apoio popular para nascer. 

O jornalista João do Rio registrou em seu livro que, em 1908 (quase 20 anos após o golpe de estado que deu origem à república no Brasil) a maioria das pessoas sentiam saudades da #monarquia: "Era mais bonito, era mais solene".

Nestes 127 anos de república, O Brasil ainda não foi capaz de corrigir as injustiças sociais e se colocar na direção do desenvolvimento. Ao contrário do último imperador, que era amante da tecnologia e da educação, nenhum presidente foi capaz de pensar a longo prazo. Isso porque na república o presidente trabalha para desfazer o que o anterior fez. 

Hoje, nós estamos vivendo diversas crises: política, econômica, institucional, de representatividade, etc. A república não consegue encontrar a solução para nenhuma delas. Sinceramente, independente de quem seja eleito em 2018, o próximo presidente viverá quatro anos nessa instabilidade.

Precisamos de um caminho capaz de recuperar o país, que é a mudança na forma de Estado e sistema de governo. Precisamos urgentemente restaurar a monarquia constitucional parlamentarista no Brasil.


segunda-feira, 24 de julho de 2017

QUAL CUSTA MAIS: PRESIDENTE OU IMPERADOR?

A Revista Calibre fez um levantamento para comparar o custo da presidência da república do Brasil com o custo das coroas de Reino Unido (Inglaterra, Austrália, Canadá, Jamaica, etc), Suécia e Dinamarca. O resultado foi obviamente a favor da monarquia.

Diferente do que prega a doutrina republicana, a monarquia não se resume em sustentar uma família. No Brasil, a exemplo de monarquias modernas, apenas o imperador recebia um salário, que nunca foi corrigido ao longo dos 49 anos de reinado. Cabe ressaltar que vem da família imperial o sucessor da Coroa, portanto é razoável e compreensível entender que o imperador exerce a função de chefe de estado e, portanto, dessa família poderá vir alguém que representará a totalidade do estado brasileiro. 

Na república presidencialista atual, o presidente e sua família são usufrutuários de toda a estrutura do estado. Isso é normal, faz parte das características da política de estado. O problema é que todos os ex-presidentes e suas famílias também recebem as benesses estatais, como salário, veículo, seguranças, assessores, etc. Atualmente há cinco ex-presidentes vivos, ou seja,sustentamos cinco famílias com recursos do estado. Prova de que a república não funciona é que tanto o atual presidente quanto os cinco ex-presidentes estão na mira da operação Lava Jato (http://www.implicante.org/blog/retrato-do-brasil-todos-os-ex-presidentes-vivos-e-tambem-o-atual-sao-citados-na-lava-jato/). 

Tudo isso custa muito caro ao Brasil.



Google Católico